As formas da dor

Comportamento, Entre Linhas, Textos, Uncategorized

É sempre muito difícil descrever a dor. Em qualquer circunstância.
Quando vou ao médico, com minha constante dor de estômago, o doutor já sabe exatamente o que é. Mas, existem certas características da dor que não conseguimos descrever. Um sentimento tão complexo que dói em uma parte do nosso corpo que não conhecemos bem.
Esses dias senti uma dor. Era estranha. Não doía em um local específico, não! Era um misto de aperto no peito com dor muscular. Os braços sentiam falta de um aperto e ao mesmo tempo o coração estava sendo espremido por alguma coisa invisível.
Tentei identificar o local exato do latejar, a fim de encontrar algo que fizesse parar. Mas o sufocar da dor estava por todos os lados. Era como se eu estivesse jogada no chão, sendo pisoteada.
Encolhida no espaço curto do meu sofá, eu entendi o sentimento. Não a dor. A dor não estava ali pra ser entendida. Ela estava ali como um aviso, um alerta. Algo que só entendi quando, na agonia que ela me causava, vi seus olhos no escuro do meu pensamento.
Vi o castanho, quase mel, dos seus olhos se afastando lentamente. Não havia a promessa da volta, havia apenas a ida. E então se foi.
Escura e vazia era a dor. Característica estranha para algo que dói, mas era a forma da minha dor. Não era sofrida, mas angustiante. E quanto mais apertava, mais clara ficava a imagem da sua ida. Um adeus tão simples e rápido não deveria causar tanta dor. Não houve gritos ou choro. Muito menos mágoa. Não tinha sobrado nada de nós. E talvez por isso doía.
Na dor eu entendi que aquilo tudo era saudade.
Não saudade daquilo que vivemos, mas daquilo que deixou de existir quando seus olhos se afastaram dos meus. As imagens que surgiam na minha mente escura não eram as que passamos juntos, mas as que eu ainda queria viver.
A dor não era pela saudade daquilo que não voltou. Era pela saudade daquilo que não vivemos. E, depois de entender o alerta da dor, ela tornou-se apenas um incomodo muscular, que me avisava de tempo em tempo sobre aquilo que deixei ir e as coisas que poderiam vir se seus olhos não tivessem se afastado de mim.